terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Chuva... boas lembranças... um presente!

E depois de muito ensaio, a chuva caiu!
No sábado à noite, pingou, pingou nem respingou! Mas refrescou um tiquinho. No domingo, amanheceu nublado com o sol brigando com as nuvens e vencendo a batalha: deu pra tomar um sol gostoso! À noite, pingou, pingou e não respingou! Ontem, não levei muito a sério o nublado da manhã e fui caminhar toda a vontade... dessa vez o sol perdeu para as nuvens e o vento frio me deu um dor de cabeça... o nariz logo entupiu... Tomei logo uma Coristina pra manter a gripe bem longe! À noite começou o pinga-pinga e, foi apertando, pingando mais forte, mais rápido e “tchibum”! Caiu chuva de verdade! Mal tive tempo de comemorar... 20 minutos depois, o céu abriu em estrelas e a lua voltou cheia e brilhante! E a noite foi quente, viu? Tá louco... Não tinha nem um ventinho pra embalar o sono!
E esquentou novamente! Não aquele calor insuportável, mas esquentou! Hoje, de manhã, fui ao centro da cidade - dei o ponta pé inicial das férias, que esse ano serão em agosto - e me senti em Aracajú! Entrei na agencia dos correios, encontrei um amigo do meu irmão fiquei de papo, depois bati um papo com o atendente que é meu amigo e, quando saí parecia que tinha um vaporizador de água espalhando gotículas pra todo lado! A expressão das pessoas valia uma foto... estava sol, mas que fresquinho! Eu me lembrei logo dos dias que passei em Aracajú, pois lá a chuva diária era assim! Se a gente estava em casa, corria para o quintal curtir a chuvinha que nem molhava o chão! Fui quase que dançando pela rua até o armarinho e enquanto escolhia as cores da lã (o estoque ainda é antigo e o preço está o mesmo que paguei em maio do ano passado) para os sapatinhos de dormir, a chuva apertou um pouco, mas, já sai da loja com ela bem fraquinha tanto que consegui chegar ao ponto das vans sem me molhar!

E vou deixar de presente pra vocês esse texto que eu acho lindo demais!





Se eu pudesse deixar algum presente a você, deixaria aceso o sentimento de amar a vida dos seres humanos e a consciência de aprender tudo o que foi ensinado pelo tempo a fora. Lembraria os erros que foram cometidos para que não mais se repetissem e a capacidade de escolher novos rumos. Deixaria para você, se pudesse, o respeito àquilo que é indispensável...
Além do pão, o trabalho; além do trabalho, a ação e, quando tudo mais faltasse, um segredo: o de buscar no interior de si mesmo a resposta e a força para encontrar a saída.
Mahatma Gandhi


4 comentários:

✿ chica disse...

Que bom que mesmo não tendo chovido muito, refrescou um pouco. Aqui também voltou a esquentar, mas nem perto daquele inferno de antes! Neno também com a mudança, ficou com dor de garganta!

Adorei o texto! bjs, tudo de bom,chica

Dorli disse...

Oi Tetê,
Aqui também choveu um pouco. O clima esta mais ameno.
Sabe Tetê: você escreve muito bem
Beijos
Lua Singular

Clau disse...

Oi Tetê, boa tarde,
Aqui, no interior de São Paulo, a chuva deu o ar da graça no domingo, mas durou pouco. Porém refrescou!
Olha, adoro ler os sábios e valiosos dizeres de Gandhi...sempre nos ensinam algo.
Bjs :)

Anne Lieri disse...

Tetê,belo pensamento final para um dia perfeito!Bjs,