quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Pouco caso e abandono

A Ilha de Paquetá, no meio da Baía de Guanabara, tem oito belas praias. Mas seis delas estão impróprias para o lazer de seus 4.500 moradores na maior parte dos meses do ano. Em dezembro de 2013, o governo do Rio tirou da cartola uma solução para mudar essa rotina: a construção de uma tubulação de 9,5 quilômetros, ligando os dejetos da ilha à estação de tratamento de esgotos (ETE) de São Gonçalo. Uma elevatória com capacidade para bombear 100 litros de esgoto por segundo garantia o sucesso da operação. Parecia uma alternativa estranha abandonar uma antiga estação de tratamento de Paquetá, considerada problemática pela Cedae, e mandar, sob a baía, os esgotos para a cidade vizinha resolver. Mas técnicos garantiam que era a melhor solução possível – a mais barata, certamente.
Dois anos e oito meses depois, a situação é melancólica. A obra, de R$ 34 milhões, foi abandonada antes do término e o governo terá que licitar novamente o trecho terrestre do duto, em  Paquetá. Construída há 18 anos, a estação de São Gonçalo, que receberia o esgoto da aprazível ilha, continua operando com menos da metade de sua capacidade. O projeto estava no calendário de exigências do Comitê Olímpico Internacional (COI) para os Jogos Olímpicos do Rio.
O caso resume com precisão a lógica que ainda domina nas obras de saneamento na bacia da Baía de Guanabara. Perda de prazos, de dinheiro e falta de transparência são leis por aqui. O resultado não poderia ser outro: aproximadamente 18 mil litros por segundo de esgoto são despejados na Baía de Guanabara.
Emanuel Alencar para ((o))eco

Nesta sexta feira saio de férias. Retornarei no início de setembro!


sábado, 13 de agosto de 2016

Pétalas coloridas

Mais um sábado, mais um BRINCANDO COM A CHICA! A cada semana Chica nos dá mais uma palavra bem sugestiva:


Com quantas pétalas se faz uma rosa?

Eu não sei responder essa pergunta, mas sei fazer uma Rosa Arco Íris usando rosas de verdade: escolha uma rosa de cor branca já florescida (1). Com uma faca afiada divida o caule de duas a quatro partes (2). Não faça muitos cortes, pois isso pode deixar o caule muito fraco e estragar todo seu trabalho. O número de partes em que o caule vai ser dividido deve ser igual ao número de corantes que você pretende usar.


Encha copos com água e adicione algumas gotas do corante alimentício a cada um deles. Use uma cor de corante diferente para cada um. Lembre-se que, o número de corantes que for usar é igual ao número de cortes feitos no caule da flor. Quanto mais gotas de corante forem acrescentadas à água, mais forte e brilhante serão as cores nas pétalas da rosa.

Mergulhe, com cuidado, cada parte do caule num copo com corante (3). Em cerca de meia hora você já notará uma mudança na coloração das pétalas da rosa; no entanto, para garantir que as cores das pétalas fiquem bem vibrantes e que o corante fique bem fixado nelas, deixe a flor em contato com a água com corante por alguns dias. Agora é só curtir a sua Rosa Arco Íris (4), Tutorial wikiHow


quarta-feira, 10 de agosto de 2016

O último dia do ano nunca chegou tão cedo

Dia 8 de agosto de 2016 chegamos ao Dia de Sobrecarga da Terra (Overshoot Days), quando a demanda exercida pelos nossos hábitos de consumo sobre a natureza esgota o que o planeta pode restabelecer no período de um ano. Mais claro ainda? Entramos no cheque especial do planeta quase cinco meses antes do fim do ano. Os cálculos são feitos pela Global Footprint Network (EFN), organização internacional parceira da Rede WWF e que monitora a Pegada Ecológica das cidades pelo mundo.
Em 2000, o Overshoot Day aconteceu em 5 de outubro. Dez anos depois, já havia se adiantado para 31 de agosto. E agora reduziu mais 18 longos dias. Ele é calculado com base em quatro fatores-chave: o quanto nós consumimos; com qual eficiência os produtos são feitos; qual o tamanho da população do planeta; e o quanto de recursos renováveis os ecossistemas da natureza são capazes de produzir. Caso as projeções moderadas das Nações Unidas para o crescimento da população e consumo se confirmem, necessitaremos da capacidade de dois planetas para suprir nossas demandas em 2030.
A partir de 09 de agosto, e com apenas 2/3 do ano completos, passamos a operar novamente em déficit ecológico, que cobra seu preço nas formas de erosão do solo, desertificação, desflorestamento, extinção massiva de espécies, colapso no estoque de pesca e, obviamente, aumento da concentração de carbono na atmosfera, responsável pelas mudanças no clima.
A boa notícia é que há esperança. Você pode contribuir para o combate às mudanças no clima. Como? Além de cobrar o poder público por mais medidas rumo a uma economia de baixo carbono, você pode se voluntariar em uma ONG que trabalhe com o tema, como o WWF-Brasil, reduzir o uso de automóveis e o desperdício de alimentos, ou separar o lixo de sua casa, entre recicláveis e orgânicos.
Mas você pode começar de um jeito ainda mais simples: com um tuíte, ou um post em suas redes sociais, sobre o Dia de Sobrecarga da Terra. Eu te convido a inundar a internet para falar desse assunto. Vamos juntos?
Michel de Souza Rodrigues dos Santos  para ((o))eco - foto da NASA